Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Por que o Facebook e o Youtube permitem as lives com fake news de Bolsonaro ?

A convocação veio um dia depois de Bolsonaro dizer em sua live semanal de quinta-feira que pessoas que já foram infectadas com o coronavírus não precisam tomar a vacina. Estudos já apontaram casos de reinfecção e defendem que a imunidade de rebanho só pode ser conseguida com a ampla vacinação da população.

Até cancelaremos alguém que está porque isso aí é de importância muito grande porque propaga a mentira, propaga a inverdade

“Esse comportamento criminoso não pode mais ser disseminado nas redes sociais”, escreveu Randolfe em sua conta de Twitter.

 

O vice-presidente da CPI da Pandemia, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), pediu a convocação de representantes de Facebook e Youtube.

“Estou protocolando pedido de convocação das plataformas Facebook e YouTube (…) Por muito menos o Twitter e o Facebook baniram o senhor Donald Trump”, disse ele.

 

 

Um levantamento do Band.com.br mostrou que até o começo de maio, as lives em que Bolsonaro defendia remédios sem comprovação científica tinham sido visualizados 2,1 milhões de vezes. Ele citou esses medicamentos em ao menos 129 publicações de suas redes sociais e essas postagens tiveram 27 milhões de interações.

As lives do presidente Bolsonaro são transmitidas pelo Facebook e YouTube e os vídeos permanecem nas redes depois da gravação. O YouTube já removeu diversas lives em que o presidente defende o uso da cloroquina no tratamento da Covid-19, mas alguns ainda seguem na plataforma. No Facebook todos os vídeos seguem no ar.fF