Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Por que o voto impresso foi “barrado” por Gilmar Mendes e o STF?

A lei  criada em 2015,  de autoria de Aécio Neves previa a impressão em todas as urnas. Dilma vetou a lei.

O Congresso  derrubou o veto, mas: ” aprovou o voto impresso em apenas 5% das urnas, por amostragem”;

Atualmente são mais de 600 mil urnas. Eu pergunto, imprimir 5% dos votos vai dá um diagnóstico  conclusivo que existe fraude? Claro que não.

Então um dos motivos foi evitar o gasto inútil ( mas transtornos com mais filas, possíveis defeitos nas impressora, por um alto custo de algo que não seria suficiente para impedir a fraude.

No período ( a lei tem prazo) em que a Reforma Política deveria ter sido discutida e aprovada. O Congresso estava paralisado para votar as denúncias com o objetivo de derrubar Temer. O prazo se esgotou e a reforma não foi feita para poder vigorar em 2018.

A LEI NÃO FOI CRIADA POR JAIR BOLSONARO COMO ELE DIZ. ELE APENAS FEZ PARTE DE UM GRUPO DE DEPUTADOS QUE AJUDOU NA QUEBRA DO VETO FEITO POR DILMA.

Em maio de 2018, o TSE aprovou resolução prevendo a implantação da impressora em cerca de 30 mil (5%) das mais de 550 mil urnas a serem utilizadas nas eleições deste ano.

Ao final da discussão no plenário, ( após o STF impedir a impressão)  Fux disse que, com a decisão, ele revogaria a licitação para compra das impressoras para as urnas.

LEIA MAIS AQUI

https://youtu.be/oa8mFLcYTeI