Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Poste de Lula não pode vencer nas urnas e apela para litigância

Seria uma litigância de má fé? Faltando um dia para a eleição?

Disputando o último ou penúltimo lugar nas pesquisas o prefeito e candidato à reeleição Fernando Haddad (PT), entrou na Justiça Eleitoral com um pedido de cassação do registro de candidatura do adversário João Doria (PSDB), líder das intenções de voto.

Ele alega que  o tucano burlou a recente proibição do financiamento empresarial de campanha ao receber repasses de governos estaduais liderados pelo PSDB, por meio de seu grupo empresarial, o Grupo Doria.

O advogado petista, Fernando Neisser, alega que “empresas que querem auxiliar a campanha dele (Doria) conseguem fazer contratos com o Grupo Doria, e ele usa esse dinheiro, supostamente próprio, como uma autodoação”.

Na ação, o prefeito também processa os governadores Marconi Perillo (Goiás), Beto Richa (Paraná), Pedro Taques (Mato Grosso) e Geraldo Alckmin (São Paulo), todos do PSDB, por suspostos repasses indevidos à campanha de Doria. “