Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Precisa mais de provas? Bolsonaro comprou a metade das doses oferecidas pela OMS

o fato que vou narrar é público, notório e incontestável. São provas claras documentadas de que Bolsonaro fez a opção por não vacinar a população.

A OMS através do consórcio FACILIT, distribui vacinas para países pobres e vende para países em desenvolvimento, que é o caso do Brasil. São vacinas aprovadas em agências reguladores internacionais e com eficácia comprovada e a preço mais baixo ou de mercado. SEM ATRAVESSADORES E SEM PROPINAS.

Foram oferecidas ao Brasil o número de vacinas para poder imunizar 20% da população brasileira.  em média, se temos 200 milhões de habitantes poderíamos receber da OMS, 80.000 doses. ( 200 milhões de habitantes x 20%, 40 milhões de vacinas. multiplicada por duas doses, total: 80 milhões de doses.

Bolsonaro e seu ministro da Saúde, fez a opção por receber apenas as doses para imunizar 10% dos brasileiros, ou seja, metade do que poderia comprar e receber.

ISSO É FACILMENTE PROVADO POR DOCUMENTOS DA OMS

Em uma PANDEMIA, e em plena dificuldade de adquirir vacinas de procedência com preço justo, com a escassez mundial, como e por que, Bolsonaro fez a opção por receber menos vacinas do que poderia ter adquirido?

Ele não tinha interesse em imunizar um número maior da população.