Preparando a explosão social

Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão – [email protected]
O traço mais grave, perigoso e lamentável do desgoverno Dilma Rousseff, além da desconfiança causada pela corrupção petista e da base aliada, é a completa falta de noção sobre o que fazer com o Brasil. O suicídio anunciado de subir ainda mais a taxa básica de juros (para 14,5%), sob a esfarrapada e falsa desculpa de conter ou baixar a “inflação”, é apenas mais uma prova da estupidez oficial.
Em crise estrutural e sistêmica, o Brasil está mais perdido que virgem em cama de prostíbulo. A imbecilidade generalizada (das zelites dirigentes até a massa idiotizada) parece ser o motor do País. Por isso, as coisas simples se transformam em problemas complexos e insolúveis por aqui. A única saída é uma Intervenção Cívica Constitucional – que também corre alto risco de sabotagem pela burrice consolidada. É apavorante o rasteiro nível do debate – seja político, econômico, ideológico ou futebolístico.
O Capimunismo Rentista Corrupto é a causa da morte (na véspera) do Brasil. O modelo faz o País se comportar como aquele cachorro que corre atrás do próprio rabo (preferencialmente no sentido anti-horário esquerdista), para fingir que não está parado, no autoengano da movimentação errática. A maioria dos brasileiros é estadodependente: no íntimo da mente, acreditamos que tudo pode ser resolvido, em um passe de mágica, pelo ente fictício chamado Estado. Basta que surja “um líder” capaz de domar a fera e ditar as ordens… É por isso que as organizações criminosas mantêm tudo do jeito como sempre esteve – ou ainda pior.
A lógica do Capimunismo Rentista Corrupto – com a qual é preciso romper urgentemente – é a exploração permanente do cidadão e dos recursos à disposição da sociedade. A regra do jogo é o cinismo pragmático: resolvido o problema de quem tem a hegemonia ou é parceiro da máquina estatal, para ganhar muito dinheiro, danem-se os outros. O comportamento predatório prevalece “naturalmente”. A ganância dos juros altos, para financiar a gastança estatal, faz parte da suruba econômica – na qual as galinhas da zelite entram com o ovos de ouro e os porcos da massa ignara com o bacon.
Sobre a usura sistêmica, uma piada-séria. Um assessor parlamentar do senador tucano José Serra, porém com a qualificação de ser Mestre em Administração Pública e professor na Pós-Graduação da Escola de Economia da FGV de São Paulo, economista Felipe Salto, enxerga três hipóteses não excludentes para entender o erro que o Banco Central do Brasil está prestes a cometer, subindo os juros: “(a) não tem o diagnóstico correto e, por isso, aplica remédios que só prolongarão a estadia do paciente na UTI; (b) pretende mostrar que é durão e manda mais do que o Ministério da Fazenda; (c) visa sancionar os juros já considerados como certos pelo mercado depois do indevido falatório de parte da diretoria do banco”.
Pode subir os juros à vontade, Dilminha… A carestia, a inflação e a sacanagem vão perdurar, até que uma explosão social aconteça. A conjuntura mundial é de estagnação. A tendência nacional é de aprofundamento da recessão – acompanhando a evolução da burrice, até que uma explosão social interrompa o processo. Metaforicamente, o Brasil está apagando incêndios com gasolina (aquela caríssima da Petrobras)…
Enquanto isso, vamos assimilando os anti-valores idiotizantes da velha Nova Ordem Mundial, para que continuemos sendo o que sempre fomos: colonizados cultural, política e economicamente. O dólar a cinco paus, e subindo, será apenas o preço a se pagar pelo permanente subdesenvolvimento. Mas já mandamos o Nelson Barbosa desfilar no Forum Econômico Mundial de Davos, para fingir que tudo vai melhorar…
Em resumo, aquela perguntinha incômoda: até quando aceitaremos ser um País cagado? Até quando?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.