Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Putin cometeu um profundo erro de cálculo sobre a Ucrânia; leia a análise

Por Yaroslav Hrytsak

LVIV, THE NEW YORK TIMES

A Ucrânia está mais uma vez no centro de um conflito potencialmente global. A Primeira Guerra Mundial, como disse o historiador Dominic Lieven, “desencadeou o destino da Ucrânia”. A Segunda Guerra Mundial, segundo o lendário jornalista Edgar Snow, foi “antes de tudo uma guerra ucraniana”. Agora, a ameaça de uma terceira guerra mundial depende do que pode acontecer na Ucrânia.

É uma repetição impressionante. Por que a Ucrânia, um país de médio porte de 40 milhões de pessoas no extremo leste da Europa, esteve no epicentro da guerra não uma, não duas, mas três vezes?

Parte da resposta, pelo menos, é geográfica. Situada entre a Rússia e a Alemanha, a Ucrânia há muito tempo é vista como o local da luta pela dominação do continente. Mas as razões mais profundas são de natureza histórica. A Ucrânia, que tem um ponto de origem comum com a Rússia, desenvolveu-se de maneira diferente ao longo dos séculos, divergindo de maneira crucial de seu vizinho do leste.

O presidente Vladimir Putin gosta de invocar a história como parte do motivo de sua sangrenta invasão. A Ucrânia e a Rússia, ele afirma, são de fato um país: a Ucrânia, na verdade, não existe. Isso, é claro, está totalmente errado. Mas ele está certo em pensar que a história contém uma chave para entender o presente. Ele simplesmente não percebe que, longe de permitir seu sucesso, isso é o que o frustrará.

Em 1904, um geógrafo inglês chamado Halford John Mackinder fez uma previsão ousada. Em um artigo intitulado “O pivô geográfico da história”, ele sugeriu que quem controlasse o Leste Europeu controlaria o mundo. Em ambos os lados dessa vasta região estavam a Rússia e a Alemanha, prontas para a batalha. E no meio estava a Ucrânia, com seus ricos recursos de grãos, carvão e petróleo.

Não há necessidade de entrar nos detalhes mais sutis da teoria de Mackinder; ela tinha seus defeitos. No entanto, provou ser extremamente influente após a Primeira Guerra Mundial e tornou-se uma espécie de profecia autorrealizável. Graças ao geopolítico nazista Karl Haushofer, o conceito migrou para o “Minha Luta” de Hitler. Lenin e Stalin não leram Mackinder, mas agiram como se tivessem lido. Para eles, a Ucrânia era a ponte que levaria a Revolução Russa para o oeste até a Alemanha, tornando-a uma revolução mundial. O caminho para o conflito novamente passou pela Ucrânia.

A guerra, quando ocorreu, foi catastrófica: na Ucrânia, cerca de sete milhões pereceram. Na sequência, a Ucrânia foi selada à União Soviética, e a questão por um tempo parecia resolvida. Com o colapso do comunismo, muitos acreditavam que a tese de Mackinder estava ultrapassada e o futuro pertencia a estados independentes e soberanos, livres das ambições de vizinhos maiores. Eles estavam errados.

O argumento de Mackinder – de que o Leste Europeu e a Ucrânia eram a chave para uma disputa entre a Rússia e a Alemanha – nunca desapareceu. Na verdade, ocupou um lugar de destaque na mente de Putin. Com uma mudança, no entanto: ele substituiu a Alemanha pelo Ocidente em sua totalidade. A Ucrânia, para Putin, tornou-se o campo de batalha de uma disputa civilizatória entre a Rússia e o Ocidente.

Ele não agiu de acordo com isso a princípio. Nos primeiros anos de seu mandato, ele parecia esperar – em linha com aqueles no círculo de Boris Yeltsin que supervisionaram o fim da União Soviética – que a independência ucraniana não duraria muito. Com o tempo, a Ucrânia imploraria para ser retomada. Isso não aconteceu. Embora alguns ucranianos permanecessem sob o domínio da cultura russa, politicamente eles se inclinavam para o Ocidente, como mostrado pela Revolução Laranja de 2004, quando milhões de ucranianos protestaram contra a fraude eleitoral.

Então, Putin mudou de rumo. Logo após a guerra na Geórgia em 2008, na qual o Kremlin assumiu o controle de duas regiões da Geórgia, ele desenhou uma nova política estratégica para a Ucrânia. De acordo com o plano, quaisquer medidas que Kiev pudesse tomar em direção ao Ocidente seriam punidas com agressão militar. O objetivo era separar o leste russófono da Ucrânia e transformar o resto do país em um estado vassalo liderado por um fantoche do Kremlin.

Na época, parecia fantástico, ridículo. Ninguém acreditava que pudesse ser genuíno. Mas nas semanas finais da Revolução de Maidan na Ucrânia em 2014, na qual os ucranianos exigiram o fim da corrupção e a aceitação do Ocidente, ficou terrivelmente claro que a Rússia pretendia agredir. E assim foi: em uma operação rápida, Putin apreendeu a Crimeia e partes de Donbas. Mas, crucialmente, toda a extensão de sua ambição foi frustrada, em grande parte pela resistência heroica montada por voluntários no leste do país.

utin calculou mal de duas maneiras. Primeiro, ele esperava que, como havia acontecido com sua guerra contra a Geórgia, o Ocidente engolisse tacitamente sua agressão contra a Ucrânia. Uma resposta unificada do Ocidente não era algo que ele esperasse. Segundo, já que em sua mente russos e ucranianos eram uma nação, Putin acreditava que as tropas russas mal precisavam entrar na Ucrânia para serem recebidas com flores. Isso nunca se concretizou.

O que aconteceu na Ucrânia em 2014 confirmou o que historiadores liberais ucranianos vêm dizendo há muito tempo: a principal distinção entre ucranianos e russos não está na língua, religião ou cultura – aqui eles são relativamente próximos – mas nas tradições políticas. Simplificando, uma revolução democrática vitoriosa é quase impossível na Rússia, enquanto um governo autoritário viável é quase impossível na Ucrânia.

A razão para esta divergência é histórica. Até o final da Primeira Guerra Mundial (e no caso da Ucrânia ocidental, o final da Segunda Guerra Mundial), as terras ucranianas estavam sob forte influência política e cultural da Polônia. Essa influência não era polonesa em si; era, antes, uma influência ocidental. Como disse o bizantino de Harvard Ihor Sevcenko, na Ucrânia o Ocidente estava vestido com roupas polonesas. No centro dessa influência estavam as ideias de restringir o poder centralizado, uma sociedade civil organizada e alguma liberdade de reunião.
Putin parece não ter aprendido nada com seus fracassos em 2014. Ele lançou uma invasão em grande escala, aparentemente destinada a remover o governo ucraniano do poder e pacificar o país. Mas, novamente, a agressão russa foi recebida com a heroica resistência ucraniana e uniu o Ocidente. Embora Putin possa escalar ainda mais, ele está longe da vitória militar que buscava. Mestre da tática, mas estrategista inepto, ele cometeu seu mais profundo erro de cálculo.

Ele baseia-se na crença de que está em guerra não com a Ucrânia, mas com o Ocidente em terras ucranianas. É essencial compreender este ponto. A única maneira de derrotá-lo é transformar sua crença – de que a Ucrânia está lutando não sozinha, mas com a ajuda do Ocidente e como parte do Ocidente – em um pesadelo acordado.

Como isso poderia ser feito, seja por meio de ajuda humanitária e militar, incorporando a Ucrânia à União Europeia ou mesmo fornecendo-lhe seu próprio Plano Marshall, são questões em aberto. O que importa é a vontade política de respondê-las. Afinal, a luta pela Ucrânia, como a história nos diz, é muito mais do que apenas sobre a Ucrânia ou a Europa. É a luta pela forma do mundo que está por vir.

Yaroslav Hrytsak é professor de história na Universidade Católica Ucraniana e autor, mais recentemente, de uma história global da Ucrânia. /TRADUÇÃO LÍVIA BUELONI GONÇALVES

Encontrou algum erro?Entre em contato
Compartilhe