Queiroz nega vazamento das investigações da rachadinha

Ouvido na tarde desta segunda-feira, na condição de testemunha, pelo delegado da PF do Rio Jaime Cândido por meio de videoconferência, para evitar risco de contágio por coronavírus, o ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, afirmou nesta segunda-feira à Polícia Federal que desconhece o suposto vazamento de informações de uma investigação que lhe atingiria no caso da “rachadinha”,

As suspeitas envolvendo o vazamento da investigação surgiram a partir de entrevista do empresário Paulo Marinho, ex-aliado do hoje senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). Marinho afirmou que um policial federal avisou a Flávio que um assessor seu, Queiroz, estava na mira das investigações da Operação Furna da Onça.

O depoimento de Queiroz à PF, entretanto, não confirma o relato de Paulo Marinho, já que ele disse que saiu por vontade própria. Queiroz também acrescentou que não teve conhecimento prévio sobre teor das investigações contra si e disse que ficou sabendo do caso apenas pela imprensa, quando saíram as primeiras reportagens sobre a detecção de movimentação financeira atípica em suas contas.