Reação da economia freia perda de popularidade de Bolsonaro, diz Datafolha

A inflação do mês de novembro foi a mais alta desde 2015. O crescimento da indústria foi em um setor de empregos com salários baixos e pouca estabilidade. A indústria manufatureira que gera melhores salários e usa tecnologia, teve queda. O PIB medíocre anunciado de 0,6 ( em comparação a um índice muito baixo do trimestre anterior, qualquer aumento é alto) o governo reconheceu que foi divulgado errado e será revisto para menos.. A popularidade de Bolsonaro se mantém estável, (muito baixa).

Segundo o instituto Datafolha, a taxa de aprovação do presidente Bolsonaro oscilou de 29% para 30% na primeira semana de dezembro, dentro da margem de erro do levantamento, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

A taxa de reprovação ao governo, que tinha crescido de 30% para 38% nos primeiros oito meses depois da posse de Bolsonaro, agora oscilou negativamente para 36%, variação que também está dentro da margem de erro do instituto.

O Datafolha entrevistou 2.948 pessoas em 176 municípios do país na quinta (5) e na sexta (6). As entrevistas foram feitas pessoalmente, em locais de grande circulação.

 

80% da população diz ao menos desconfiar das declarações do presidente Jair Bolsonaro, aponta a mais recente pesquisa do Datafolha.

Segundo levantamento nacional realizado na última quinta-feira (5) e sexta-feira (6), 43% dos entrevistados disseram que nunca confiam em afirmações do presidente, e 37% declararam confiar às vezes. Já os que dizem confiar sempre são 19% dos entrevistados —1% não soube responder.

A pesquisa ouviu 2.948 pessoas em 176 municípios em todo o país. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%.

Fonte: Folha