Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Reflexões Políticas

Não estou aqui dizendo que Bolsonaro não seja um risco para a democracia. Por tudo que já disse e defendeu, creio ser sim. O problema está em não enxergar no PT o mesmo risco.

Isso não é narrativa. São fatos apurados no decorrer das fases da operação Lava Jato, corroborado com provas e confissões de empresários e lideranças políticas. Agora podem insistir que PT respeitou as instituições e não tentou dar um golpe. Eles sequer não precisaram!

O calendário eleitoral continuaria existindo, mas os detetores do poder seriam sempre os mesmos. Era esse o grande objetivo do Petrolão. Garantir a manutenção e a sustenção da base governista e do partido dos trabalhadores no controle do Estado brasileiro.

Você não precisa colocar tanques nas ruas para tomar o poder se você tem o controle da máquina na mão e uma fonte ilimitada de recursos para se eleger. A Lava Jato demonstrou que era exatamente isso que os petistas e seus comparsas tentaram fazer no Brasil.

Se um partido tem acesso praticamente ilimitado a financiamento eleitoral essa isonomia fica prejudicada, assim como o próprio resultado do pleito.

É importante ressaltar que a mera realização de eleição não configura prática democrática. Elas precisam ser livres e com um mínimo de isonomia entre os candidatos. Ou democrática não é.

Ora, o que o Petrolão pretendia (e de certa forma conseguiu) era justamente manter no poder a organização criminosa que dele se apossou, tornando irrelevante a realização de eleições periódicas, ainda que elas existissem.

Existem vários e vários estudos demonstrando a diferença que o dinheiro faz numa campanha. Aliás, justamente essa questão fez o STF decidir pela proibição de financiamento de pessoa jurídica, porque desequilibrava a balança.

Os desvios sistêmicos de valores em contratos na Petrobras (e outras empresas públicas) financiavam campanhas ao redor do país de aliados do governo. E, espacialmente, financiou as campanhas presidenciais petistas.

Vejo muita gente minimizando o efeito que os valores desviados no Petrolão tiveram nas eleições anteriores, como se fosse apenas caixa 2 de campanha. Aliás, essa é a tese da defesa petista (e de alguns ministros do STF). Então é bom lembrar…

O autor, preferiu não se identificar