Reforma proposta pelo governo não atinge os que ganham mais: juízes e procuradores

Reforma proposta pelo governo não atinge os que ganham mais:  juízes e procuradores

Juízes, promotores, procuradores, desembargadores, deputados e senadores ficaram de fora das mudanças propostas pelo governo na reforma administratva.
Os parlamentares desejam ampliar a reforma retirando privilégios dos promotores, juízes e alto escalão.

Mudanças como limitar as férias de todos os agentes públicos a 30 dias por ano, inclusive para juízes, além do fim de privilégios, como aposentadoria compulsória como punição para quem já está trabalhando, estão entre as emendas.

Para os futuros funcionários públicos após a reforma, serão retirados os privilégios de
férias superiores a 30 dias, licença-prêmio (direito a três meses de licença para tratar de assuntos de interesse pessoal a cada cinco anos) e adicionais por tempo de serviço.