Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Renan Calheiros denuncia que Bolsonaro usa PF para perseguição política

Em entrevista ao Estadão, Neste sábado (03), Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid, afirmou que vai acionar o STF contra o indiciamento feito pela Polícia Federal. Ele alega que a PF não possui competência necessária para indiciar um senador da República, porque a função compete à corte.

Ele  acusou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de usar a PF para retaliar sua atuação na comissão instalada no Senado Federal para investigar irregularidades no enfrentamento à pandemia.

“Todas as vezes que a Polícia Federal indiciou senadores eu desfiz no Supremo o indiciamento, quando fui presidente do Senado. Isso é abuso de autoridade. Vou acionar [o Supremo], não pode. Com relação ao mérito, o diretor [da PF] me isentou completamente. Não tem nada a ver, não tem prova, é só retaliação”, afirmou Renan.

Renan disse ainda que  “setores da PF se prestam à utilização política” ao aceitarem dar encaminhamento a um “indiciamento que não existe”. “O governo vinha acenando com o uso da Polícia. O ministro da Justiça [Anderson Torres] deu declarações insinuando que iria utilizar a PF como polícia política. A Polícia é uma instituição respeitável, mas, infelizmente alguns setores se prestam à utilização política e à retaliação como esta”, afirmou.

“Bolsonaro pensa que a Constituição e a PF são dele, que delegado é jagunço. Quis tumultuar a CPI: plantou áudio, mandou investigar o dono da Precisa para ele obter HC e calar-se. Mas, a cada dia chegamos mais perto dos seus crimes”, completou Calheiros.