Repercussão - As declarações de Eduardo Bolsonaro

Estas afirmações merecem por parte da Procuradoria-Geral da República, merecem imediata abertura de investigação porque, em pese se deva analisar o contexto da declaração, isso é crime da Lei de Segurança Nacional, artigo 23 inciso III, incitar a animosidade entre as Forças Armadas e instituições civis. Isso é crime previsto na Lei de Segurança Nacional”, afirmou.

“Nós ainda temos que conviver com declarações débeis feitas por um membro do Parlamento do país”, disse ele. “É algo inacreditável que no Brasil, no século XXI, com 30 anos da Constituição, ainda tenhamos que ouvir tanta asneira de um representante público. Uma das frases totalmente mais atuais, de Thomas Jefferson, é que o preço das instituições funcionando. O preço da democracia é a eterna vigilância”, completou. (  Ministro do STF, Alexandre de Moraes)

 

A maioria dos ministros do STF – quase todos – estão indignados com a fala do deputado Eduardo Bolsonaro. A comunidade jurídica também. O candidato precisará fazer uma declaração mais assertiva se quiser minimizar o estrago causado pelo filho. E pedir desculpas aos ministro (Diego Escosteguy)

 

A Ordem dos Advogados do Brasil emitiu um comunicado no qual afirma que defender a Corte é “obrigação do Estado” e que ressalta a importância de preservar os valores democráticos do País.

“O mais importante tribunal do País tem usado a Constituição como guia para enfrentar os difíceis problemas que lhe são colocados, da forma como deve ser. É obrigação do Estado defender o STF”, diz o comunicado assinado pelo presidente nacional da entidade, Cláudio Lamachia. “Prestes a ser encerrado mais um processo eleitoral, no mais longevo período democrático da história do Brasil, o desafio que se coloca é a preservação dos valores da democracia e da República”, destaca o documento.

O ministro Marco Aurélio Mello, do STF, disse ao Estado que “não se tem respeito pelas instituições pátrias”.

“Tempos estranhos, vamos ver onde é que vamos parar. É ruim quando não se tem respeito pelas instituições pátrias, isso é muito ruim”, afirmou.

“Essa declaração, além de inconsequente e golpista, mostra bem o tipo (irresponsável) de parlamentar cuja atuação no Congresso Nacional, mantida essa inaceitável visão autoritária, só comprometerá a integridade da ordem democrática e o respeito indeclinável que se deve ter pela supremacia da Constituição da República!!!! Votações expressivas do eleitorado não legitimam investidas contra a ordem político-jurídica fundada no texto da Constituição! Sem que se respeitem a Constituição e as leis da República, a liberdade e os direitos básicos do cidadão restarão atingidos em sua essência pela opressão do arbítrio daqueles que insistem em transgredir os signos que consagram, em nosso sistema político, os princípios inerentes ao Estado democrático de Direito”. ( Ministro do STF,  Celso de Mello)

 

“As declarações do deputado Eduardo Bolsonaro merecem repudio dos democratas. Prega a ação direta, ameaça o STF. Não apoio chicanas contra os vencedores, mas estas cruzaram a linha, cheiram a fascismo. Têm meu repúdio.” (Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente da República)

 

Se alguém falou em fechar o STF precisa consultar um psiquiatra”, disse Jair  Bolsonaro.

 

Rosa Weber sobre filho de Bolsonaro e o fechamento do STF: “O video foi desautorizado pelo candidato. No Brasil as instituições estão funcionando normalmente. E juiz algum que honra a toga se deixa abalar por qualquer manifestação que pode ser compreendida como inadequada.

 

Um cabo e um soldado bastam para fechar o Supremo Tribunal Federal, ensina Eduardo Bolsonaro. ( Noblat)

 

Em fala não retirada de contexto (vídeo no link abaixo, entre 31’ e 34’), Eduardo Bolsonaro diz que “basta um soldado e um cabo para fechar o STF”, caso a corte não permita que seu pai seja empossado. O trecho é uma aula de autoritarismo em estado puro. ( Diogo Escosteguy)

https://youtu.be/Fw6ykmPc5o0