Ricardo Barrros comprou remédios que nunca foram entregues ao MS, pagando adiantado

Por meio de uma nota técnica, o Ministério da Saúde apontou ao Ministério Público Federal “diversas irregularidades” em um contrato de compra de remédios firmado na gestão do ex-ministro e atual deputado Ricardo Barros (PP-PR),  líder do governo Bolsonaro na Câmara.

Os problemas no contrato incluem a falta dos requisitos para realizar um pagamento antecipado à empresa, de acordo com a pasta.

Segundo os procuradores, as irregularidades envolvem a compra dos medicamentos para tratamento de doenças raras, com três pagamentos antecipados de quase R$ 20 milhões.

Destaca-se ainda que os remédios nunca foram entregues e que a contratação envolve a empresa Global Saúde, sócia da Precisa Medicamentos – que está no centro das investigações da CPI da Covid após suspeitas de irregularidades nas tratativas de compra da vacina Covaxin.

Barros foi ministro da Saúde durante o governo Michel Temer, entre 2016 e 2018.

Com informações do G1.

Optimized with PageSpeed Ninja