Rui Falcão diz que Lula não vai cumprir a ordem judicial do juiz Sérgio Moro

 

O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que ficou conhecido em todo o país na defesa de réus do mensalão, é coautor de um pedido de liminar para que nenhum condenado em segunda instância seja preso até que as Ações Declaratórias de Constitucionalidade (ADCs) 43 e 44 sejam julgadas pelo plenário do Supremo, o que pode levar à reversão no entendimento atual sobre o início do cumprimento da pena. Kakay representa o Partido Ecológico Nacional (PEN), autor de uma das ADCs – a outra é de autoria da Ordem dos Advogados do Brasil. Na prática, trata-se de um habeas corpus coletivo, ainda que formalmente não seja tratado dessa maneira.

Segundo o Jornal O Estado de São Paulo, o ex-presidente do PT Rui Falcão disse na manhã desta sexta-feira, 6, ao Estadão/Broadcast, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não irá se entregar à Polícia Federal, em Curitiba, como determina a ordem de prisão expedida pelo juiz federal Sérgio Moro no fim do dia de ontem.

A declaração de Falcão foi dada ao chegar à sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, onde Lula passou a noite e permanece com aliados e advogados de defesa nesta manhã.
Por lá, aumenta, com o passar das horas, o número de militantes e membros de movimentos sociais ligados ao PT concentrados dentro e fora da sede do Sindicato. Há pouco chegou uma comitiva do Central dos Movimentos Sociais com cerca de 50 pessoas portando bandeiras, cartazes e gritando palavras de ordem em apoio ao ex-presidente. A expectativa dos militantes é a de que cerca de 100 mil pessoas ocupem as imediações do Sindicato até o final do dia.
Enquanto isso, Lula aguarda o resultado de um novo pedido de habeas corpus feito por sua defesa e que será analisado pelo ministro Felix Fischer, da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ). A defesa de Lula entrou com o pedido nesta sexta-feira, para evitar a prisão decretada ontem por Moro, da 13ª Vara Criminal de Curitiba.