Sérgio Camargo não pode mais perseguir funcionários da Fundação Palmares

A Justiça do Trabalho acaba de afastar Sérgio Camargo de funções relacionadas à gestão de pessoas na Fundação Palmares. A decisão é resultado de ação do Ministério Público do Trabalho após denúncias de assédio moral e perseguição ideológica contra servidores.
Basta dessa política de perseguir e humilhar pessoas em favor de um presidente. A Justiça tarda, mas não falha.

Com a decisão, ele fica proibido de nomear, contratar e afastar servidores da entidade.

Sérgio Camargo é acusado de perseguição ideológica e discriminação. Em suma: foi afastado de suas atribuições por ASSÉDIO MORAL!

Optimized with PageSpeed Ninja