Trump fará um pronunciamento pela TV nesta quarta- feira (08/01)

A TV estatal do Irã afirmou, na manhã desta quarta-feira, 8, que 80 ‘terroristas americanos’ foram mortos no ataque, sem fornecer evidências. 

Trump restringiu o espaço aéreo.

Boeing 737 da Ucrânia com 176 passageiros caiu no Irã devido a “falhas técnicas ainda não-identificadas”, matando todos a bordo.

Houve um terremoto de magnitude 5.0 no sudeste do Irã, perto de usina nuclear.

 

De acordo com um oficial americano, os ataques iranianos começaram exatamente à 1h20, mesmo horário em que Suleimani foi morto pelos americanos enquanto deixava o aeroporto de Bagdá.

O Pentágono confirmou que os mais de 12 mísseis foram disparados pelo Irã. “Está claro que esses mísseis foram lançados do Irã e tinham como alvo duas bases militares iraquianas onde havia tropas americanas e aliados em Al Assad e Erbil”, disse um funcionário do departamento de Defesa. “Estamos trabalhando nas avaliações iniciais dos danos.”

Segundo a TV estatal iraniana Press TV, a Guarda Revolucionária iraniana reivindicou os ataques com mísseis terra-terra contra as bases.  “Os bravos soldados da unidade aérea da Guarda Revolucionária do Irã lançaram com sucesso um ataque com dezenas de mísseis balísticos contra a base militar de Ain al-Assad em nome do mártir general Qassim Suleimani”

Autoridades dos EUA disseram que Suleimani foi morto por causa da inteligência sólida, indicando que as forças sob seu comando planejavam ataques a alvos americanos na região, embora não tenham fornecido provas.

Suleimani chefiava a força de elite da Guarda Revolucionária, chamada Quds, e era considerado a segunda pessoa mais importante do Irã, atrás apenas do líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei.

Trump respondeu em seu Twitter que “tudo está bem!” e que a avaliação dos danos e mortes ainda está em andamento. Ele afirmou que deve fazer um pronunciamento sobre os ataques na quarta (8) pela manhã.

A base aérea atingida em Ain al Assad fica na província de Anbar, a cerca de 200 km de Bagdá. É um centro das operações americanas no oeste do país há vários anos. Foi construída em 2017, como parte da campanha dos EUA contra o Estado Islâmico —à época, abrigava cerca de 500 militares e civis americanos.

o Pentágono afirmou que tomaria todas as medidas necessárias para proteger os soldados e civis na região. Mais de 5.000 soldados dos EUA permanecem no país, com outras forças

Deixar uma resposta