Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Variante indiana chegou ao Brasil

O governo do Maranhão confirmou os primeiros casos de covid-19 provocados pela variante do coronavírus detectada pela primeira vez na Índia. Ela foi identificada  em um tripulante indiano de 54 anos que estava a bordo do navio MV Shandong da Zhi,  que saiu da África do Sul.

“Dos 15 resultados [de passageiros que testarem positivo para a covid-19], foi possível fazer  o estudo genômico de seis, os demais a gente tinha quantidade de vírus muito baixa e não foi possível fazer. Mas em todas as seis amostras a gente teve resultado positivo para a B.1.617.2, uma das linhagens da variante da Índia”, afirmou Carlos Lula, secretário de Saúde do Maranhão, em coletiva nesta quinta-feira.

“A variante já estava presente em 51 países e aqui na América do Sul só estava presente na Argentina. O Brasil acaba sendo o segundo país da América do Sul com confirmação da cepa”, afirmou Carlos Lula.

O primeiro caso

No último domingo (16), o governo do estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES) informou que um homem de nacionalidade indiana foi internado em um hospital da rede privada de São Luís com sintomas do novo coronavírus (Covid-19).

Segundo a SES, o fato foi informado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ele começou a sentir os sintomas da doença em 4 de maio e teve febre. Por conta do quadro, o indiano foi encaminhado em um helicóptero para um hospital da rede privada na última sexta-feira (13), por determinação da equipe médica que o assistia.

A Secretaria de Saúde do Maranhão informou que seis pacientes internados no estado foram infectados com a cepa indiana do coronavírus. Eles chegaram ao país por meio de um navio.

O Senador (PSD-BA) e médico, Otto Alencar, nesta quinta- feira (20/05) alertou na CPI da Covid  está no  país.

No último dia 14 de maio, após dez dias que a Anvisa solicitou,  o governo federal proibiu a entrada de estrangeiros em voos com origem na Índia, conforme edição extra do Diário Oficial da União

Se o Ministério da Saúde não tomar providencias urgentes para isolar os infectados no Maranhão, a variante vai se espalhar por todo Brasil, criando a terceira onda, dobrando o número de casos e de mortes.

Mensagem que recebi de uma moradora de São Luís, no Maranhão.