Venezuelanos fazem filas em abatedouro para se alimentar de sangue

Venezuelanos fazem filas em abatedouro para se alimentar de sangue

Devido à escassez de alimentos,  o consumo de sangue de vaca com especiarias aumentou na Venezuela, devido à fome que se torna mais intensa com a quarentena. A  Venezuela foi classificada pela ONU como a 4ª nação do mundo afetada pela fome e necessitando de assistência urgente.

Os venezuelanos desesperados para consumir algumas barracas de proteínas em longas filas na porta do matadouro municipal de San Cristóbal com seus baldes para enchê-los de sangue. Alguns dão dinheiro ao funcionário que está procurando seu sangue, mas isso não é obrigatório. A maioria procura comer ao preço mais baixo e o sangue é gratuito.

Quando chegam em casa, colocam temperos e legumes e cozinham como carne moída, mas apenas com sangue .

O chefe de operações do matadouro comentou: “Muitos dias pelo menos 120 a 140 litros são doados a cada dia do abate”

Na Venezuela,  suprimentos médicos e serviços básicos, como eletricidade e água, são escassos. O básica para combater o vírus, como lavar as mãos, os venezuelanos não podem fazer por falta de água.

A Venezuela teve 440 casos de coronavírus e 10 mortes por enquanto, mas críticos acreditam que há mais. Embora os números de mortes e casos relatados do vírus pareçam modestos, os venezuelanos estão sofrendo com a paralisação econômica e os atrasos do programa estatal de distribuição de alimentos conhecido como Clap, há anos a fonte de alimento mais importante de muitos.

Os restaurantes populares do governo registraram um grande aumento de procura desde que a quarentena começou, em meados de março, e a entrega de caixas de alimento passou a atrasar.

O mecânico Aleyair Romero, de 20 anos, vai duas vezes por semana. Ele perdeu o emprego em uma garagem local e diz que as caixas de alimento subsidiado pelo governo do presidente Nicolás Maduro demoram muito para chegar.

“Tenho que encontrar comida de qualquer jeito”, disse Romero segurando uma garrafa térmica transbordando com o sangue que o matadouro oferece grátis.

Embora o sangue de vaca seja um ingrediente tradicional da sopa de “pichón” dos Andes venezuelanos e da vizinha Colômbia, mais pessoas o estão procurando durante a crise da Covid-19.